Paraibanos dizem não ao desmonte da previdência

Lutar e reagir para garantir a pressão popular

Escrito por: ascom da CUT-PB • Publicado em: 21/02/2018 - 15:40 • Última modificação: 21/02/2018 - 16:06 Escrito por: ascom da CUT-PB Publicado em: 21/02/2018 - 15:40 Última modificação: 21/02/2018 - 16:06

SEEB-PB

Durante o Dia Nacional de Luta, realizado na última segunda-feira (19), a Capital paraibana e diversas outras cidades amanheceram com atos de protestos contra a Reforma da Previdência. Pela manhã, servidores  da UFPB e servidores municipais das cidades de Cajazeiras e Cuité realizaram panfletagens e atos públicos.

À tarde, a Frente Brasil Popular, através das centrais sindicais, sindicatos, movimentos populares e partidos políticos de esquerda, reuniu os Blocos de Arrasto da Associação Folia de Rua de João Pessoa e outros alternativos que se somaram à manifestação, em Defesa da Aposentadoria, num evento intitulado “Na folia e na luta: contra a Reforma da Previdência”.

A concentração ocorreu em frente ao Lyceu Paraibano, onde cerca de mil foliões e seus blocos seguiram, pelo anel externo da Lagoa, finalizando o ato em frente ao prédio do INSS. O objetivo foi de denunciar à população os malefícios que representam a Reforma da Previdência proposta do governo de Michel Temer e alertar os parlamentares das bancadas paraibanas na Câmara e no Senado, que se votarem a favor, não contarão com os votos dos paraibanos nas próximas eleições.

Servidores da UFPB levaram painéis com os nomes dos deputados e senadores do Estado, numa campanha sem trégua, intitulada: “ Se votar na reforma, não volta”.

Os manifestantes portaram faixas, cartazes, banners e contaram com a animação de  orquestra de frevos, alas ursas, blocos e estandartes, com destaque para os Ursos do Roger, o Boi Vermelho e as Corujas da Associação dos Docentes da Universidade Federal da Paraíba (AdufPB) .

Marcaram presença os seguintes blocos: Doido é Doido, Boi Vermelho, Madrugada da Mulinga, Os Borrachudos, Os Imprensados, Maluco Beleza entre outros.

Para o diretor da CUT-PB, Gilberto Paulino, as manifestações estão surtindo efeito. “A pressão popular deve continuar ainda mais intensas, uma vez que, a sociedade e a classe trabalhadora está começando a entender o propósito do golpe, que retira direitos sociais para favorecer o sistema financeiro bancário e o capital especulativo. Por isso, a permanência dessas mobilizações devem continuar cada dia mais intensas para barrar a destruição da previdência social”, explicou.

 

Título: Paraibanos dizem não ao desmonte da previdência, Conteúdo: Durante o Dia Nacional de Luta, realizado na última segunda-feira (19), a Capital paraibana e diversas outras cidades amanheceram com atos de protestos contra a Reforma da Previdência. Pela manhã, servidores  da UFPB e servidores municipais das cidades de Cajazeiras e Cuité realizaram panfletagens e atos públicos. À tarde, a Frente Brasil Popular, através das centrais sindicais, sindicatos, movimentos populares e partidos políticos de esquerda, reuniu os Blocos de Arrasto da Associação Folia de Rua de João Pessoa e outros alternativos que se somaram à manifestação, em Defesa da Aposentadoria, num evento intitulado “Na folia e na luta: contra a Reforma da Previdência”. A concentração ocorreu em frente ao Lyceu Paraibano, onde cerca de mil foliões e seus blocos seguiram, pelo anel externo da Lagoa, finalizando o ato em frente ao prédio do INSS. O objetivo foi de denunciar à população os malefícios que representam a Reforma da Previdência proposta do governo de Michel Temer e alertar os parlamentares das bancadas paraibanas na Câmara e no Senado, que se votarem a favor, não contarão com os votos dos paraibanos nas próximas eleições. Servidores da UFPB levaram painéis com os nomes dos deputados e senadores do Estado, numa campanha sem trégua, intitulada: “ Se votar na reforma, não volta”. Os manifestantes portaram faixas, cartazes, banners e contaram com a animação de  orquestra de frevos, alas ursas, blocos e estandartes, com destaque para os Ursos do Roger, o Boi Vermelho e as Corujas da Associação dos Docentes da Universidade Federal da Paraíba (AdufPB) . Marcaram presença os seguintes blocos: Doido é Doido, Boi Vermelho, Madrugada da Mulinga, Os Borrachudos, Os Imprensados, Maluco Beleza entre outros. Para o diretor da CUT-PB, Gilberto Paulino, as manifestações estão surtindo efeito. “A pressão popular deve continuar ainda mais intensas, uma vez que, a sociedade e a classe trabalhadora está começando a entender o propósito do golpe, que retira direitos sociais para favorecer o sistema financeiro bancário e o capital especulativo. Por isso, a permanência dessas mobilizações devem continuar cada dia mais intensas para barrar a destruição da previdência social”, explicou.  



Informativo CUT PB

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.